terça-feira, 13 de abril de 2021

F1 quer tornar GPs mais atraentes com corridas classificatórias

 Maior mudança no formato dos grande prêmios da Fórmula 1 em 2021, a adoção das corridas classificatórias já está confirmada para o GP da Inglaterra, em julho. E para a categoria, a proposta se mostra promissora para tornar o espetáculo mais atraente dentro e fora dos autódromos nos fins de semana de corrida. É o que revela Stefano Domenicali, CEO da F1, que detalhou como a proposta deve impactar as etapas.


Largada do GP do Bahrein da F1 — Foto: Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images

Largada do GP do Bahrein da F1 — Foto: Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images

- Quando tornamos público que queríamos tentar essa corrida de classificação, os organizadores das etapas qualificadas para o teste tiveram muitos pedidos de ingressos. Este formato tem muitas vantagens; quanto menos tempo para treinos livres, mais ação na pista. Isso já foi mostrado no Bahrein. Essa também é uma forma de atrair mais histórias e patrocinadores, afinal, quanto mais imprevisível, mais interessante é a corrida - disse Domenicali.

Neste formato, o grid de largada no domingo será definido por uma prova de classificação, mais curta, de 100 km ou ⅓ da distância da corrida inteira, com as posições iniciais determinadas por uma classificação convencional na sexta-feira e um treino livre a menos.

- Com os treinos livres e a classificação, o organizador das corridas pode vender ao público uma sexta-feira melhor. E com o segundo treino livre e a corrida de classificação, um sábado ainda melhor. Se não tentarmos, nunca saberemos se é vantajoso ou não. Quantas vezes já não mudamos o formato da classificação no passado com o intuito de melhorar? - acrescentou o italiano.

Stefano Domenicali, CEO da F1, no GP do Bahrein de 2021 — Foto: Dan Istitene - Formula 1 via Getty Images

Stefano Domenicali, CEO da F1, no GP do Bahrein de 2021 — Foto: Dan Istitene - Formula 1 via Getty Images

Segundo Domenicali, o vencedor da corrida classificatória será computado nas estatísticas das pole positions. O italiano confirmou ainda, que a ideia não é implantar o formato em todas as corridas:

- Este deve ser um "Grand Slam" para eventos selecionados, mas vamos ver se funciona primeiro.

Além da Inglaterra, a F1 pretende implantar a novidade nas etapas da Itália, em Monza, e no Brasil, em Interlagos. A categoria segue em discussão com as equipes e tem a intenção de concluir os detalhes da proposta ainda nesta semana, antes do GP da Emilia-Romagna, em Imola.

Largada do GP da Inglaterra de 2020, em Silverstone; etapa receberá primeiro teste de corridas classificatórias em 2021 — Foto: Getty Images

Largada do GP da Inglaterra de 2020, em Silverstone; etapa receberá primeiro teste de corridas classificatórias em 2021 — Foto: Getty Images

Entrave financeiro

Apesar das expectativas, as equipes demandam a cobertura de potenciais danos provocados nos carros por uma corrida extra, o que levou ao acordo de um subsídio de US$ 500 mil, ou R$ 2,82 milhões para cada. Domenicali revelou que as principais queixas vieram dos times maiores e minimizou os riscos de uma prova a mais nos GPs:

- Para ser honesto, as reclamações vieram principalmente das equipes grandes. Ainda estamos negociando, mas a diferença entre me classificar sozinho na pista ou em uma corrida não é tão grande, a distância é quase a mesma. Se pedirmos uma compensação por tudo, nunca chegaremos lá. Não devemos perder de vista o quadro geral. Espero que possamos encontrar uma solução.

As corridas classificatórias não serão a primeira mudança no formato das etapas em 2021; para este ano, a F1 reduziu o tempo de duração dos treinos livres de 1h30 para 1h.



Fonte:ge


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts Relacionados