quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

Nasa anuncia cometa recém-descoberto avistado durante eclipse solar

À esquerda, a câmera LASCO C2 do observatório ESA/Nasa/Soho mostra o cometa C/2020 X3 (Soho) no canto esquerdo inferior. À direita, uma imagem composta do eclipse solar total do dia 14 de dezembro de 2020, com base em 65 frames tirados por Andreas Möller em Piedras del Aguila, Argentina, e processada por Jay Pasachoff e Roman Vanur. (Foto: ESA/Nasa/Soho/Andreas Möller (Arbeitskreis Meteore e.V.)/Processado por Jay Pasachoff e Roman Vanur/Joy Ng)

Ansioso pelo eclipse solar ocorrido na última segunda-feira (14), o astrônomo amador tailandês Worachate Boonplod começou a observar o céu no dia anterior ao fenômeno. Foi no domingo (13), que ele descobriu um novo cometa, chamado de C/2020 X3 (Soho) pelo Centro de Planetas Menores, organização que faz parte do Observatório Astrofísico Smithsonian.

O corpo celeste foi flagrado por meio dos dados de satélite do Projeto Sungrazer, iniciativa financiada pela Nasa que convida qualquer pessoa a descobrir novos cometas em imagens dos bancos da Agência Espacial Europeia (ESA) e do Observatório Heliosférico e Solar da Nasa (Soho).

O C/2020 X3 (Soho) é classificado como um cometa rasante Kreutz, ou seja, faz parte da família de cometas que originaram de um objeto maior que se fragmentou há milhares de anos e continuam orbitando o Sol até hoje. Esse tipo de objeto é geralmente avistado pelo observatório Soho, cuja câmera imita um eclipse solar: ela usa um disco oculto sólido que bloqueia a luz cegante da nossa estrela, revelando traços mais fracos em sua atmosfera externa e objetos celestes que circundam o astro, como cometas. Por meio dessa técnica, 4.108 cometas já foram descobertos nas imagens feitas pelo equipamento, sendo o C/2020 X3 (Soho) o 3.524º rasante Kreutz avistado.

Na hora em que a imagem do eclipse foi tirada, o cometa estava viajando a 724 mil quilômetros por hora, a uma distância de 4,3 milhões de quilômetros da superfície solar. Algumas horas antes de atingir o ponto mais próximo do Sol, ele se desintegrou em partículas de poeira devido à intensa radiação solar. O cometa tinha cerca de 15 metros de diâmetro, do tamanho aproximado de um caminhão.


Fonte:Revista Galileu



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts Relacionados