quarta-feira, 30 de setembro de 2020

Chefe da RBR destaca força da equipe diante de erros da Mercedes em Sochi e Monza

 Além do segundo lugar no GP da Rússia em Sochi no último domingo, a RBR saiu da décima etapa do campeonato da Fórmula 1 com mais uma marca no bolso: a das paradas mais rápidas. Para Christian Horner, chefe do time austríaco, os recordes conquistados nos últimos dois anos demonstram a força da equipe, que com um carro melhor, poderia alcançar a rival Mercedes na briga pelo título.

Apesar de ter resultados e equipamento quase incontestáveis, a equipe alemã tem cometido deslizes nas últimas etapas, como o erro que fez com que Lewis Hamilton fosse punido no GP da Itália por entrar nos boxes antes do período permitido, e no GP da Rússia, quando o hexacampeão treinou largadas em local proibido.


Christian Horner, chefe da RBR e o engenheiro de Verstappen, Giampiero Lambiase, no GP da Rússia  — Foto: Mark Thompson/Getty Images

Christian Horner, chefe da RBR e o engenheiro de Verstappen, Giampiero Lambiase, no GP da Rússia — Foto: Mark Thompson/Getty Images

- Quando você está constantemente na frente, é fácil ser o time a desafiar o restantante. Mas às vezes isso pode escapar de você quando se tem tamanha dominância. 2022 é nossa grande oportunidade. Penso que em 2021 o DNA desses carros vai permanecer, mas isso não significa que não podemos desbloquear mais potencial do nosso carro e desenvolvê-lo efetivamente. Podemos diminuir essa lacuna - disse o chefe da RBR.


Para Horner, o excesso de confiança em uma hegemonia como a da Mercedes é responsável pelos "escapes" cometidos pela rival, situações que abrem margem para que outros pilotos, como Pierre Gasly, na Itália, e Max Verstappen, segundo lugar na Rússia, surjam.

Sem Hamilton, que lutou para se livrar do tráfego no meio do pelotão, o caminho ficou aberto para Verstappen brigar pela liderança com Bottas. O holandês da RBR não conseguiu alcançar o rival, mas com os 18 pontos do segundo posto, ampliou a vantagem no Mundial de Pilotos sobre Lando Norris, quarto na tabela e que não pontuou na Rússia.

- É por isso que nós desesperadamente queremos ter um carro que os desafie, porque acho que, operacionalmente, temos um time muito forte. Demonstramos isso novamente com o pit stop mais rápido, e se não quebramos o recorde geral, certamente estivemos muito perto. Só podemos focar em nós mesmos, mas eles obviamente tiveram alguns problemas - continuou o britânico.

Max Verstappen comemora segundo lugar na Rússia com equipe após corrida — Foto: Mark Thompson/Getty Images

Max Verstappen comemora segundo lugar na Rússia com equipe após corrida — Foto: Mark Thompson/Getty Images

Com quase metade dos pontos somados pela Mercedes, a RBR ocupa hoje a vice-liderança do campeonato de construtoras. Em 2020, a equipe conquistou apenas uma vitória, de Verstappen, além de cinco pódios do holandês e um de seu companheiro, Alexander Albon, o primeiro do tailandês.


Fonte:ge

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts Relacionados