quinta-feira, 30 de abril de 2020

Palco de corridaça em 2019 e fora da F1 neste ano, Hockenheim pode receber etapa por causa de pandemia

Largada do GP da Alemanha de 2019 — Foto: Octane/Action Plus via Getty Images
Largada do GP da Alemanha de 2019 — Foto: Octane/Action Plus via Getty Images


O GP da Alemanha de 2019 foi de tirar o fôlego do início ao fim. Foi uma daquelas raras corridas em que teve de tudo, inclusive Lewis Hamilton fora do pódio após largar da pole. Mas, sem patrocínio, a etapa já estava fora do calendário de 2020 para a tristeza dos fãs. Contudo, com a pandemia de coronavírus e as restrições de viagens, uma etapa em Hockenheim volta aos planos da categoria para essa temporada, segundo o CEO do circuito.


- Posso confirmar que estamos conversando. Estávamos e seguimos em contato com nossos colegas da F1 de tempos em tempos. Após tanto tempo de parceria, é normal perguntar qual o status de tudo. Temos conversado sobre tudo e sobre as incertezas no calendário da F1 - afirma Jorn Teske, CEO da pista, a "Autosport".
Apesar de admitir que conversa com a categoria a respeito da possibilidade de realizar a corrida, Teske explica que até agora o papo foi casual, sem definição de datas ou valores de contrato.
- Falamos sobre a possibilidade de acontecer, como seria e tudo mais. Trocamos ideias de forma casual. Mas nada sobre datas, condições, contratos, coisas necessárias para que isso saia do papel. Ainda não chegamos a esse ponto - explica o dirigente.
Por sofrer em pagar as taxas necessárias para realizar um GP de F1, o circuito de Hockenheim já havia deixado claro que só realizará corridas quando for financeiramente vantajoso. A corrida de 2019, por exemplo, só foi realizada em porque a Mercedes entrou na jogada como patrocinadora do evento.
Teske afirma que apesar das circunstâncias, a filosofia segue a mesma, principalmente porque caso haja a prova, a probabilidade é que seja realizada com portões fechados - o que minaria ainda mais as chances de o circuito obter lucro com venda de ingressos.
- Sempre falamos que só podemos realizar uma corrida de F1 na condição de não ser um risco financeiro enorme para nós. Isso tem sido padrão nos últimos anos e conseguimos contratos que satisfizessem esse princípio.
Assim, caso a F1 respeite a filosofia financeira de Hockenheim e seja possível atender aos requerimentos das autoridades de saúde locais, o CEO do circuito não veria problemas em realizar a prova de portões fechados.
- Se pudermos garantir o que as autoridades pedem e se a parte financeira fizer sentido para nós, então estaremos de mente aberta (para uma corrida sem fãs). Entretanto, ainda temos que conversar a respeito. Ainda não é concreto como muitos podem pensar neste momento.
Hungaroring e Barcelona também abertas a corridas em agosto e com portões fechados
Os circuitos do GP da Hungria e da Espanha também se mostraram dispostas a realizar as corridas durante as férias de verão e com os portões fechados. A etapa em Hungaroring é atualmente a terceira no calendário.
- Estamos em contato diário com a F1. Liberty sabe que estamos abertos a todos os tipos de solução e prontos para organizar a corrida - afirma Zsolt Gyulay, CEO do circuito do GP da Hungria.

Largada do GP da Hungria, em Hungaroring — Foto: Reuters
Largada do GP da Hungria, em Hungaroring — Foto: Reuters
Barcelona, que normalmente não realizaria uma corrida em agosto porque a cidade já está cheia de turistas e espanhóis de férias, se disse disposta a organizar o evento de portas fechadas por essa ser uma situação excepcional.
- Eles nos perguntaram se havia alguma data que não seria possível realizar a corrida. Dissemos que não. Queremos realizar o evento e podemos ajudar a F1 a organizar tudo. Em um ao normal, é férias em agosto na Espanha, mas acho que 2020 será um ano excepcional, com um calendário completamente diferente. Se você falasse comigo há um ano, eu teria dito: "Por favor, agosto não". Mas agora é ok, também por causa do formato reduzido do evento, então seria bom para a gente não apenas pela pista, mas também pelos hotéis e toda a estrutura ao redor. Podemos organizar a corrida sem espectadores em duas ou três semanas - afirma o diretor do circuito, Joan Fonsere.
Sebastian Vettel e Charles Leclerc no GP da Espanha de 2019 — Foto: Dan Istitene/Getty ImagesSebastian Vettel e Charles Leclerc no GP da Espanha de 2019 — Foto: Dan Istitene/Getty Images
Sebastian Vettel e Charles Leclerc no GP da Espanha de 2019 — Foto: Dan Istitene/Getty Images
Temporada com 15 a 18 corridas e fim em dezembro
Além do cancelamento do GP da França, a Fórmula 1 confirmou as informações de que pretende realizar entre 15 e 18 corridas na temporada 2020. Não há um calendário preciso, com as datas exatas de cada grande prêmio, mas uma projeção de como o campeonato será disputado, seguindo um planejamento logístico entre os continentes. 

Fonte:Globoesporte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts Relacionados