segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Uma galáxia difícil de classificar


Messier 86: ainda não se sabe se essa galáxia tem formato elíptico ou lenticular. Crédito: ESA/ Hubble/Nasa/P. Cote et al.
A galáxia Messier 86, aqui em imagem do Telescópio Espacial Hubble da Nasa/ESA (as agências espaciais americana e europeia), ainda é um enigma para os astrônomos. Apesar de ter sido descoberta há mais de 235 anos pelo astrônomo Charles Messier, os cientistas não chegaram a uma conclusão sobre se ela é elíptica ou lenticular (ou seja, um cruzamento entre uma galáxia elíptica e uma espiral).
Parte do aglomerado de galáxias da constelação de Virgem, a Messier 86 está situada a cerca de 50 milhões de anos-luz da Terra. A galáxia está se movendo pelo espaço de modo notavelmente rápido: sua trajetória atual a leva em nossa direção, de volta ao centro do aglomerado do outro lado, a mais de 875 mil quilômetros por hora.
Devido à velocidade com que se desloca, a Messier 86 está passando por um processo conhecido como remoção de pressão de aríete; o material resistivo que preenche as lacunas entre galáxias de aglomerados individuais está puxando o gás e a poeira da Messier 86 e eliminando-os à medida que a galáxia se move, criando uma longa trilha de gás quente que emite radiação de raios X.
Os astrônomos estão usando esses dados para estudar galáxias elípticas e lenticulares, ambas frequentemente encontradas nos centros de aglomerados de galáxias. Ao estudarem os núcleos dessas galáxias, eles esperam determinar detalhes da estrutura central e analisar a história da galáxia e a formação de seu núcleo.
Fonte:Revista Planeta e Terra


Nenhum comentário:

Postar um comentário