domingo, 31 de dezembro de 2017

Chuva de 2017 fica abaixo da média da Sabesp no Sistema Alto Tietê

De acordo com a Sabesp, chuvas de 2017 não atingiram média prevista para os reservatórios. (Foto: Reprodução/TV Diário)
De acordo com a Sabesp, chuvas de 2017 não atingiram média prevista para os reservatórios. (Foto: Reprodução/TV Diário)

2017 termina com uma notícia não animadora vinda das represas que integram o Sistema Alto Tietê. De acordo com os dados divulgados pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), este ano choveu menos que o esperado na região.

Ao longo dos meses, o volume de chuva acumulada representa 78% do que era esperado. No total, desde 1° de janeiro de 2017, choveu 1.133,8 milímetros, enquanto que o previsto pela Sabesp era de 1.447,6 milímetros.
Dos 12 meses do ano, em apenas cinco meses o volume de chuvas superou a média histórica: Em abril choveu 4% a mais, em maio a chuva foi 34% maior do que o esperado, em junho choveu 9% a mais do previsto, em agosto a chuva superou 26% a média histórica e, em novembro, o volume foi 39% maior.
A situação da chuva foi mais crítica em julho, quando choveu apenas 13% da média histórica. A Sabesp previa chuvas de até 48,5 milímetros, porém, ao longo do mês, choveu apenas 6,7 milímetros.
Já em Dezembro, a chuva também ficou abaixo da média. Eram esperados 193 milímetros de chuva, mas choveu apenas 94,3 milímetros, o que representa apenas 48% da média histórica. Neste domingo (31), os reservatórios operam com 52,6% da capacidade. A pluviometria do dia é de 5 milímetros.

O sistema

De acordo com informações da Sabesp, o Alto Tietê abastece atualmente 4,2 milhões de pessoas em parte da zona leste de São Paulo e nas cidades de Ferraz de Vasconcelos, Poá, Itaquaquecetuba, Arujá, Suzano, Mogi das Cruzes, Mauá (parcialmente) e Guarulhos (parcialmente).
A população atendida pelo sistema saltou de 3,8 milhões de pessoas para 5 milhões em dezembro de 2013 por causa da crise no Sistema Cantareira. Um ano depois de começar a ser usado como reforço do Cantareira, em dezembro de 2014, o sistema chegou a ter apenas 4,2% da capacidade.

Fonte:G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts Relacionados