domingo, 21 de julho de 2019

Antioxidante presente no vinho ajudaria a fortalecer exploradores de Marte, diz estudo

No espaço, sem a resistência da gravidade, músculos e ossos tendem a enfraquecer  — Foto: Jornal Nacional / TV Globo
No espaço, sem a resistência da gravidade, músculos e ossos tendem a enfraquecer — Foto: Jornal Nacional / TV Globo
Uma substância presente no vinho tinto poderá contribuir com as futuras missões tripuladas para Marte. Segundo um estudo parcialmente financiado pela agência espacial norte-americana (Nasa) e publicado nesta semana na revista "Fronteiras da Fisiologia", o antioxidante resveratrol se tornou a aposta de cientistas norte-americanos para preservar a musculatura dos viajantes nos longos deslocamentos em gravidade zero.
O problema enfrentado pelas missões espaciais é o fato de que a viagem para Marte, atualmente, dura em média nove meses, mas os músculos e ossos do corpo humano não aguentam tanto tempo no espaço sem que seus músculos sofram contrações e percam a fibra muscular.
"Após três semanas no espaço, os músculos se contraem a até um terço do seu tamanho original", disse em nota a autora do estudo Marie Mortreux. "Isso vem acompanhado de uma perda de fibra muscular, necessária para a resistência."
A combinação desses dois fatores impede, hoje em dia, que uma pessoa seja enviada nessa viagem, porque, mesmo que uma missão tripulada chegasse até o planeta vermelho, ela não conseguiria sequer ficar de pé.

Por enquanto, apenas missões não tripuladas já chegaram a Marte — Foto: Jornal Nacional / TV Globo
Por enquanto, apenas missões não tripuladas já chegaram a Marte — Foto: Jornal Nacional / TV Globo

Suplemento alimentar

É nesse contexto que entra o resveratrol, um composto encontrado na casca da uva e que já é conhecido pela literatura médica por suas propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e por ser usado no tratamento de pacientes diagnosticados com diabetes.
O estudo rendeu resultados iniciais satisfatórios, segundo a pesquisadora.
"Observamos que o resveratrol conseguiu preservar a massa óssea e muscular de ratos em um experimento que simulou a microgravidade dos voos espaciais. Acreditamos que uma dose diária ajudaria a reduzir a falta de condicionamento muscular dos astronautas", disse Mortreux.
A suplementação protegeu completamente a massa muscular das cobaias e reduziu sensivelmente a perda de fibras musculares, sem alterar o apetite e peso dos animais.

Ainda faltam estudos para definir a quantidade ideal de consumo da substância, e os cientistas ressaltam que ainda buscam comprovar que não há problemas na mistura dela com outras drogas administradas aos astronautas em missões espaciais.

Fonte:G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog