sexta-feira, 6 de julho de 2018

Brasil sofre gol contra, esbarra no goleiro Courtois e é eliminado pela Bélgica

Neymar tentou, mas não conseguiu decidir a favor do Brasil no jogo contra a Bélgica
Divulgação/Fifa.com
Neymar tentou, mas não conseguiu decidir a favor do Brasil no jogo contra a Bélgica
O sonho do hexacampeonato mundial foi prorrogado por mais quatro anos. O Brasil não conseguiu reverter desvantagem por dois gols que a seleção da Bélgica contruiu ainda no primeiro tempo do jogo disputado nesta sexta-feira (6) e acabou eliminado da Copa do Mundo nas quartas de final.
A equipe treinada por Tite deixou o gramado da Arena Kazan derrotada por 2 a 1, com gols marcados por Fernandinho (contra) e De Bruyne a favor dos belgas, e por Renato Augusto pelo Brasil .

A história da eliminação brasileira na Copa do Mundo foi escrita num jogo em que os comandados por Tite demonstraram nervosismo demasiado, erraram mais passes do que o habitual e ainda viram o goleiro da Bélgica, Courtois, fechar o gol. O time também sentiu muito a ausência de Casemiro, que estava suspenso, e não foi substituído à altura por Fernandinho.
Além do arqueiro belga, também se destacaram pelo lado europeu o trio ofensivo formado por De Bruyne, Hazard e Lukaku, que incomodaram a defesa brasileira durante toda a partida.
A Bélgica agora enfrentará na semifinal da Copa do Mundo a  seleção da França, que bateu o Uruguai por 2 a 0 hoje mais cedo. O jogo será disputado às 15h de terça-feira (10), no horário de Brasília, em São Petersburgo.

Belgas abrem vantagem cedo e Brasil se perde 

Gabriel Jesus e Fernandinho estavam próximos no lance do primeiro gol da Bélgica; bola bateu no camisa 17
FIFA/ Divulgação
Gabriel Jesus e Fernandinho estavam próximos no lance do primeiro gol da Bélgica; bola bateu no camisa 17
A seleção belga foi superior nos instantes iniciais do jogo, mas o Brasil deu sinais de que reverteria essa situação. A seleção quase abriu o placar aos 7 minutos, quando Thiago Silva aparou escanteio cobrado pelo lado esquerdo, mas viu a bola subir e acabar batendo na trave. Dois minutos depois, Paulinho viu a bola se oferecer limpa para ele dentro da área após escanteio do lado direito, mas furou na hora de mandar para o gol.
Se os jogadores brasileiros não marcaram nos escanteios que tiveram a seu favor, eles foram mais eficientes no lado oposto do campo. Aos 12 minutos, Chadli mandou a bola na primeira trave, Kompany desviou de leve e a bola bateu em Fernandinho, indo para as redes defendidas por Alisson.
O Brasil tentou responder rapidamente em jogadas de Neymar, aos 14 minutos, e de Coutinho, aos 19, mas sem sucesso. Marcelo entrou pelo meio aos 25 minutos e bateu forte após finta em Fellaini, mas Courtois conseguiu fazer a defesa.
O ímpeto brasileiro de tentar empatar a todo custo, e a ausência do cão de guarda Casemiro, deixou espaços na intermediária que passaram a ser perigosamente explorados em contra-ataques puxados por De Bruyne, Hazard e Lukaku – que saía bastante da área, caindo principalmente pelo lado direito da defesa brasileira.
Em um desses contra-ataques, aos 30 minutos de jogo, os belgas conseguiram o segundo gol. Lukaku arrancou em velocidade e a bola sobrou para De Bruyne após corte para trás de Paulinho. Indeciso se marcava o homem da bola ou Hazard, que era opção de passe, Marcelo deu espaço para o camisa 7 belga avançar até a entrada da área e fuzilar de maneira inapelável para o fundo do gol defendido por Alisson.
O segundo gol deu mais tranquilidade à seleção europeia, que passou a controlar melhor o tempo de jogo, e isso dificultou muito as ações ofensivas do Brasil. A equipe comandada por Tite ainda tentou descontar em cabeceio de Gabriel Jesus que saiu à esquerda do gol e em chute de fora de Philippe Coutinho, mas a seleção pentacampeã foi mesmo para o vestiário com a desvantagem por dois gols.

Brasil pressiona na etapa final

Miranda contra Lukaku foi um dos principais embates do segundo tempo
Divulgação/Fifa.com
Miranda contra Lukaku foi um dos principais embates do segundo tempo
Tite promoveu a entrada de Roberto Firmino no lugar de Willian na volta para o segundo tempo, posicionando Gabriel Jesus no lado direito do ataque. E o Brasil se postou dentro do campo de defesa da Bélgica desde o primeiro minuto da etapa final. Os europeus tinham apenas Lukaku para tentar contra-atacar, mas Miranda acertou a marcação do camisa 9 e neutralizou essa arma dos adversários.
Aos 10 minutos, veio a jogada polêmica da partida. Gabriel Jesus recebeu dentro da área, fintou Vertonghen e sofreu entrada por baixo do zagueiro Kompany – seu colega de clube no Manchester City. O árbitro Milorad Mazic mandou o jogo seguir, mas a equipe do assistente de vídeo (VAR) pediu alguns intantes para reavaliar o lance. Foram alguns momentos de apreensão da torcida brasileira, mas que foram encerrados com o juiz da partida confirmando apenas o tiro de meta. 
Esse foi o último lance de Gabriel Jesus na Copa. O camisa 9 deixou o gramado para a entrada de Douglas Costa, e já aos 16 minutos, o atacante quase descontou ao invadir a área e bater cruzado, obrigando Courtois a fazer grande defesa. O lance veio na sequência de um perigoso ataque belga em que Hazard bateu para fora após os europeus recuperarem a bola graças a erro de Fernandinho – o pior em campo pelo lado brasileiro.
Tite queimou sua última substituição ao sacar Paulinho para a entrada de Renato Augusto, e a troca deu certo. Aos 31 minutos, o camisa 8 invadiu a área adversária – ao melhor estilo Paulinho – e desviou de cabeça ao receber passe por elevação de Philippe Coutinho.
E Renato Augusto quase empatou o jogo quatro minutos depois. O meio-campista recebeu passe de Neymar com total espaço para avançar e bater da entrada da área, de frente para o gol, mas errou o alvo por muito pouco.
A seleção belga se fechou ainda mais ao promover a entrada do zagueiro Vermaelen no lugar de Chadli, e o Brasil seguiu na pressão. Aos 38 minutos, Neymar recebeu com espaço pela esquerda e rolou dentro da área para Philippe Coutinho, que chegava de frente, mas o chute saiu torto e ele perdeu grande oportunidade. 
O árbitro assistente de vídeo voltou a atuar aos 45 minutos, em disputa pelo alto entre Neymar e Meunier. Mais uma vez, o árbitro não atendeu aos pedidos de pênalti dos jogadores brasileiros. O camisa 10 brasileiro ainda teve sua última chance em chute colocado de fora da área, mas Courtois conseguiu uma defesa espetacular e afastou de vez as chances de o Brasil seguir vivo na busca pelo hexa.


Fonte:Band.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog