terça-feira, 12 de junho de 2018

Mercedes-Benz terá que fazer recall de 774 mil carros na Europa por fraude

Mercedes-Benz GLC (Foto: Divulgação)
Mercedes-Benz GLC (Foto: Divulgação)

Cerca de 238 mil automóveis da Daimler, fabricante da Mercedes-Benz, deverão passar por recall só na Alemanha, em toda a Europa serão 774 mil.

A retirada de circulação foi anunciada na segunda-feira (11) pelo ministro dos Transportes Andreas Scheuer, devido à constatação de "dispositivos manipuladores" ilegais destinados a esconder os altos níveis de emissões nocivas dos testes reguladores.
"O governo federal vai ordenar um recall oficial imediato devido a dispositivos ilegais", disse Scheuer em comunicado, após se reunir com o chefe da companhia, Dieter Zetsche, para tratar das irregularidades nas emissões dos veículos da empresa.
Presidente da Daimler, Dieter Zetsche, chega para encontro com ministro dos Transportes (Foto: Michele Tantussi/Reuters)Presidente da Daimler, Dieter Zetsche, chega para encontro com ministro dos Transportes (Foto: Michele Tantussi/Reuters)
Presidente da Daimler, Dieter Zetsche, chega para encontro com ministro dos Transportes (Foto: Michele Tantussi/Reuters)
"A Daimler diz que os aplicativos no software de controle dos motores, em que o governo federal encontrou falhas, serão removidos o mais breve possível e em cooperação transparente com as autoridades", acrescentou o ministro.
A medida afeta as versões movidas a diesel dos modelos GLC e classe C, além das vans Vito, que já tiveram recall anunciado. Apenas a van Vito é vendida no Brasil com propulsor a diesel.

Efeito 'dieselgate'

Esses dispositivos manipuladores estiveram no centro do escândalo "Dieselgate" da Volkswagen. Em setembro de 2015, a maior montadora do mundo admitiu tê-los instalado em 11 milhões de veículos no mundo todo.
Até agora, o escândalo já custou à empresa mais de 25 bilhões de euros em multas, recompras e compensações, além de ter colocado sob investigação altos executivos da montadora, sob suspeita de participação na fraude.

Fonte:Deustche Welle E G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog