quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Maduro diz que se subordina à Assembleia Constituinte

O presidente Nicolás Maduro fala nesta quinta-feira (10) na Assembleia Constituinte (Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP)
O presidente Nicolás Maduro fala nesta quinta-feira (10) na Assembleia Constituinte (Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP)

O presidente venezuelano Nicolás Maduro disse nesta quinta-feira (10) que se subordina à Assembleia Nacional Constituinte, em seu primeiro discurso diante dos 545 constituintes chavistas que compõem o órgão. Na sessão, o presidente também entregou seu projeto de nova Constituitção.

"Como chefe de Estado eu me subordino aos poderes da Assembleia Constituinte", disse. "Venho reconhecer seus poderes plenipotenciários, soberanos, originários e magnos".
Segundo a agência de notícias Associated Press o gesto de Maduro é "meramente simbólico", já que a Constituinte foi convocada por ele e é formada apenas por chavistas. Segundo a Reuters, opositores e analistas veem sua afirmação como uma estratégia para acabar com os rumores de que a Constituinte dará poderes absolutos ao presidente socialista para governar sem controle do Parlamento, dominado por seus adversários.
Em seu discurso Maduro também afirmou que a Constituição neutralizará a violência do país que desde abril deixou mais de 120 mortos e quase 2 mil feridos.
Diante das críticas da comunidade internacional - EUA, União Europeia e vários países da América Latina, incluindo o Brasil não reconhecem a Constituinte -, Maduro defendeu sua iniciativa afirmando que ela surgiu do clarmor de se chegar a um diálogo no país.
Ministros das Relações Exteriores de vários países latino-americanos reunidos em Lima na última terça condenaram a "ruptura democrática" na nação rica em petróleo após a instalação da Assembleia Constituinte.
Mais cedo, a presidente da Assembleia Constituinte, a ex-ministra das Relações Exteriores Delcy Rodríguez, disse que o órgão que vai reescrever a Constituição terá o poder de dissolver o resto dos poderes públicos e seus funcionários durante o período de até dois anos de vigência.

Encontro com Trump

De acordo com a AP, Maduro ainda disse que quer se reunir com o presidente Donald Trump. O presidente instruiu o ministro de relações exteriores a abordar os EUA sobre uma conversa telefônica ou uma reunião com Trump. Maduro, que antes já tinha dito para Trump "tirar suas mãos sujas" da Venezuela, afirmou no discurso que quer uma forte relação com os Estados Unidos, como a que tem a com a Rússia. "Senhor Donald Trump, aqui está a minha mão", disse.

O governo Trump chamou Maduro de ditador e lançou sanções contra ele e mais de uma dúzia de atuais e ex-funcionários do governo.

Fonte:G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página

Arquivo do blog