sexta-feira, 14 de julho de 2017

Em entrevista a Porchat, integrantes do “Casseta & Planeta” avaliam programas de humor

 Duh Secco

Humoristas do “Casseta & Planeta” enalteceram atração de Tatá Werneck, em entrevista a Fábio Porchat.
Humoristas do “Casseta & Planeta” enalteceram atração de Tatá Werneck, em entrevista a Fábio Porchat
A trupe do “Casseta & Planeta” – exceto Reinaldo – esteve ontem (13) no “Programa do Porchat”, da Record. Para encerrar a entrevista, Fábio Porchat apostou no quadro “Pipoca ou Troca”, em que os convidados avaliam programas de TV: quando gostam, “pipoca”; quando não gostam, “trocam” de canal. A brincadeira resultou numa sinceridade lancinante, poucas vezes vistas em atrações do gênero, nos comentários de Beto Silva, Cláudio Manoel, Hélio de La Peña, Hubert e Marcelo Madureira.
Apenas dois programas ganharam elogios de todos os “Cassetas”: o “Lady Night”, que Tatá Werneck comanda no Multishow (em especial o quadro “Entrevista com o Especialista”), e o “A Praça é Nossa”, do SBT, com destaque para o humorista Maurício Manfrini (o Paulinho Gogó) e para Carlos Alberto de Nóbrega, comandante do humorístico.
Com exceção de Hubert, todos “trocaram” o “Adnight”, de Marcelo Adnet, elogiado por suas imitações. “Depois do “Chapa Quente”, veio o chapa-branca”, disse Cláudio Manoel, em referência à série que antecedia o talk-show e ao tom ameno deste.
O mesmo Claudio falou a respeito da nova versão de “Os Trapalhões”: “A gente participou de um grande equívoco da TV brasileira, o “Tomara Que Caia”. Agora, isso aí vai ganhar da gente!”. Depois, ponderou: “O negócio não estreou ainda, já estamos detonando. Eu achei a chamada é horrível”. O grupo também salientou que nem todo revival funciona, como ocorreu com a “Escolinha do Professor Raimundo”.
Os mais alvejados pelas críticas foram o “Vai Que Cola” e o “Pânico na Band”. Marcelo Madureira classificou o sitcom do Multishow como “preconceituoso e homofóbico”. “O fato do ator ser gay, ou ser negro ou ser judeu não dá a ele direito de ser tão caricato”, esclareceu em referência, possivelmente, aos atores Marcus Majella e Paulo Gustavo. “Se você botasse alguém que não fosse gay no papel, era homofóbico”, comentou Claudio, que sentenciou: “Uma coisa de 40 anos atrás, é um “Sai de Baixo” que roda”.
Beto Silva “trocou” o “Pânico na Band”: “Acho que o Pânico perdeu a mão”. Hélio de La Peña enalteceu os quadros antigos da atração. “Foram dos que mais beberam na nossa fonte […] Éramos muitos próximos, muitos fãs”, contou Claudio Manoel antes de rememorar um episódio ocorrido durante a Copa do Mundo de 2014, em que Rodrigo Vesgo tentou entrevista-lo dentro do banheiro, levando-o a reagir com palavrões. “Eles são muito pra moleque de 14 anos”, concluiu.
Hubert ainda classificou a TV Senado como o programa mais engraçado. “Mas o casting é uma merda”, disse Claudio Manoel. “E a piada é muito repetitiva”, concluiu Beto Silva.
Confira a participação do “Casseta & Planeta” no “Programa do Porchat”:





Fonte:RD1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página

Arquivo do blog