domingo, 16 de julho de 2017

Ceilândia sai atrás, mas busca empate com o Comercial no DF e avança às oitavas

Por Fabrício Marques

Ceilândia sai atrás, mas busca empate com o Comercial no DF e avança às oitavas


O torcedor do Ceilândia-DF sofreu. A vantagem do empate por conta da vitória por 1 a 0 no jogo de ida contra o Comercial-MS, em Campo Grande, foi por água abaixo logo no início do confronto de volta, neste sábado, no Estádio Abadião, no Distrito Federal. Ainda assim, o Gato Preto mostrou fibra, foi em busca do empate em 1 a 1 e garantiu a classificação às oitavas de final do Campeonato Brasileiro da Série D.

Em duelo marcado pelo equilíbrio, o Comercial não se intimidou e abriu o placar logo aos 23 minutos do primeiro tempo, com Adriano. Ainda antes do intervalo, os donos da casa tiveram a oportunidade do empate, em cobrança de pênalti de Elivelto, mas Guilherme defendeu. O goleiro do time sul-mato-grossense só não conseguiu segurar a bela cobrança de falta de Filipe Cirne aos 15 minutos da segunda etapa: 1 a 1. Os 30 minutos finais foram de pressão dos visitantes e desespero da torcida candanga, mas no fim, o Ceilândia conseguiu se segurar e se manter vivo na competição.
- Quando os adversários se conhecem tão bem, vira um jogo de estratégia. A gente sabia o que eles iam fazer, eles sabiam o que a gente ia fazer. E o jogo não poderia ser resolvido de outra forma, foi na bola parada. Mas ainda não ganhamos nada, temos outros dois confrontos de mata-mata para alcançar a Série C, que é o nosso objetivo - afirmou o autor do gol do Ceilândia, Filipe Cirne.
O adversário do time do DF na próxima fase sairá do confronto entre América-RN e Aparecidense-GO, que se enfrentam ainda neste sábado, em Natal. No jogo de ida, empate em 0 a 0 no interior goiano.

Ceilândia e Comercial fizeram duelo equilibrado no Distrito Federal (Foto: Fabrício Marques)Ceilândia e Comercial fizeram duelo equilibrado no Distrito Federal (Foto: Fabrício Marques)
Ceilândia e Comercial fizeram duelo equilibrado no Distrito Federal (Foto: Fabrício Marques)
Bola parada resolve
Ceilândia e Comercial se conheciam muito bem. Os dois times já tinham se enfrentado na fase de classificação, com uma vitória para cada lado. Não por acaso, o equilíbrio foi a tônica do duelo pelo mata-mata. E a bola parada foi decisiva.
Assim como no gol da vitória do Ceilândia no primeiro jogo, o Comercial abriu o placar em cobrança de escanteio no duelo deste sábado no Distrito Federal: Adriano aproveitou a cobrança na primeira trave, subiu mais que a defesa dos donos da casa e escorou para o gol aos 23 minutos, na primeira chegada mais perigosa dos visitantes.
Melhor postado em campo, o Ceilândia, que já tinha criado algumas boas chances, continuou pressionando e teve a melhor oportunidade de empatar aos 33 minutos, quando Dudu Lopes foi derrubado na área. Pênalti cobrado por Elivelto, mas que parou nas mãos do goleiro Guilherme, do Comercial.
Mas a bola parada ainda apareceria mais uma vez. O Gato Preto seguiu em cima na segunda etapa e, aos 15 minutos, Emerson Martins foi derrubado na entrada da área. A falta foi cobrada com perfeição por Filipe Cirne, no ângulo esquerdo do goleiro Guilherme, que nada pôde fazer: 1 a 1 no placar.
Precisando de apenas mais um gol para ficar com a vaga - vitória por 2 a 1 daria a classificação aos visitantes por terem marcado mais vezes na casa do adversário -, o Comercial conseguiu impor uma pressão ao Ceilândia em boa parte do segundo tempo, mas parou nas boas defesas do goleiro Artur. Fim de jogo, empate em 1 a 1, classificação do Ceilândia e festa nas arquibancadas.

Fala, professor

- Foi sofrida porque nossa equipe fez um bom primeiro tempo, tinha chance de sair ganhando. Sofremos o gol, não conseguimos empatar no primeiro tempo. E o segundo tempo foi esse sufoco, mas valeu demais ela classificação. Acho que tivemos o domínio do jogo na maior parte, procuramos mais o gol, mas tivemos que nos expor um pouco e a classificação foi fruto da nossa vitória lá no Mato Grosso - Adelson de Almeida, técnico do Ceilândia.
- O jogo foi equilibrado. Diante dos problemas que estamos enfrentando, viemos aqui e jogamos de igual para igual. Mas infelizmente, não deu. Pressionamos no fim, mas faltou o gol. Tivemos uma participação inedita na Série D, então valeu ainda assim - Válter Ferreira, técnico do Comercial.


Fonte:Globoesporte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página

Arquivo do blog