quinta-feira, 20 de junho de 2019

Maria Ribeiro defende Paulo Betti de acusação de racismo

Jorge Santana

Maria Ribeiro
Maria Ribeiro saiu em defesa de Paulo Betti após acusações de racismo (Imagem: Divulgação - Globo / Montagem)
Maria Ribeiro saiu em defesa de Paulo Betti sobre as acusações de injúria racial feitas pelos atores Milton Gonçalves e Jorge Coutinho, após um comentário do intérprete de Miguel Nasser em "Órfãos da Terra" em um grupo de atores no WhatsApp. Em seu perfil no Instagram, ela, que já se relacionou com o veterano por quatro anos (2001-2005), disse não acreditar que o ex-marido tenha tido a atitude pela qual está sendo acusado.

"Quando Paulo Betti e eu nos separamos, 14 anos atrás, pedi, não à toa, para ficar com essa carteirinha. Paulo é um sindicalista por natureza, um cara para quem o ofício e a justiça — ou injustiça — relativos à profissão importam mais do que todas as outras coisas", iniciou. "Compra todas as causas dos colegas, e agora, decidiu entrar para valer, através da disputa do Sated, no que sempre fez: lutar por seu grupo", explicou, se referindo ao tema central da discussão, que seria uma votação no Sindicato da categoria. A atriz continuou: "Eu, ao contrario, mais egoísta, só me dei conta da desunião da nossa classe quando isso bateu em mim — mas isso não importa agora. O que importa é que acordei lendo que Paulo está sendo acusado de racismo porque disse, sobre a disputa de chapa do sindicato dos atores — e num grupo de WhatsApp! — que devemos ficar sensíveis e atentos ao possível uso de lutas fundamentais com o objetivo — velado — de comover e manipular os eleitores, monetizando ideologicamente a questão mais grave do Brasil".

A famosa ainda reconheceu a discriminação contra pessoas negras no Brasil, mas se dirigiu aos reclamantes alegando que Betti não é um opressor. "Somos um país racista e é nossa obrigação lutar diariamente contra isso. Ao acusar, a meu ver, levianamente, um sujeito integro como Paulo, esses senhores não só não estão lutando por um Brasil melhor, como estão, na melhor das hipóteses, confusos sobre seus reais inimigos", opinou. Por fim, a artista mandou um recado diretamente a Paulo Betti. "Paulo, quero te dizer que, na camisa do meu time, tá escrito o teu nome em letras grandes, e eu a exibo com amor e orgulho há 22 anos. Sigamos com força e coragem (e nem vem me pedir de volta a carteirinha… rs)", finalizou.

Maria Ribeiro e Paulo Betti foram casados até 2005, e colheram como fruto desse relacionamento um filho, João Betti, hoje com 16 anos. O global enfrenta uma ação na Justiça após dar a entender em um texto que o Sindicato dos Artistas estaria há muito tempo sob gestão de representantes negros. Gonçalves e Coutinho ocupam cargos de presidente e diretor geral da entidade, respectivamente, e disputam com Betti o comando da agremiação.


Fonte:RD1

Aplicativo falso monitora notificações e dribla bloqueio de leitura de SMS do Google Play

Por Altieres Rohr

Aplicativos falsos miravam usuários da BTCTurk, uma plataforma de compra e venda de criptomoedas — Foto: WeLiveSecurity/ESET
Aplicativos falsos miravam usuários da BTCTurk, uma plataforma de compra e venda de criptomoedas — Foto: WeLiveSecurity/ESET


A fabricante de antivírus Eset informou que criminosos estão utilizando um novo truque para ler mensagens SMS no Android. A prática foi coibida pelo Google com uma regra, em vigor desde março, que exige autorização especial para que aplicativos cadastrados no Google Play solicitem a permissão de leitura de SMS. No entanto, os criminosos driblaram a proteção usando a permissão especial de leitura de notificações, permitindo que o app falso leia o trecho do SMS que consta na notificação.

O mecanismo é utilizado por aplicativos maliciosos instalados no Android e não tem relação com outras técnicas que podem ser usadas por hackers para obter mensagens de SMS com ataques à rede celular.
Segundo Lukas Stefanko, especialista da Eset, o alvo dos criminosos era a BTCTurk, uma criptocorretotora – plataforma de compra e venda de criptomoedas – da Turquia. Os golpistas criaram diversos aplicativos falsos, com nomes como "BTCTurk Pro Beta", e publicaram esses programas no Google Play, a loja oficial de aplicativos do Android.
O programa apresentava uma tela de login pedindo o usuário e a senha da vítima. Se esses dados fossem fornecidos, a fraude prosseguia com o envio das informações à própria BTCTurk para dar início ao processo de verificação em duas etapas com o envio do código de autenticação por SMS. O programa então se aproveitada da leitura de notificações para ler o SMS, permitindo que o invasor acessasse a conta da vítima para realizar o roubo de criptomoedas.

Embora aplicativos falsos envolvendo criptomoedas não sejam novidade – especialmente com a alta recente do Bitcoin –, o uso da leitura de notificações para ter acesso ao SMS não era necessário em golpes anteriores. Diversas atividades no Android necessitam de permissão específica e a leitura de SMS era uma delas, mas, desde março de 2019, apenas aplicativos feitos exclusivamente para a leitura de SMS podem solicitar essa permissão, excluindo quase qualquer programa malicioso.
Em alerta especial, Android avisa sobre riscos ligados à permissão para ler e controlar todas as notificações do aparelho. Em geral, essa permissão deve ser negada, caso algum aplicativo a solicite. — Foto: ReproduçãoEm alerta especial, Android avisa sobre riscos ligados à permissão para ler e controlar todas as notificações do aparelho. Em geral, essa permissão deve ser negada, caso algum aplicativo a solicite. — Foto: Reprodução
Em alerta especial, Android avisa sobre riscos ligados à permissão para ler e controlar todas as notificações do aparelho. Em geral, essa permissão deve ser negada, caso algum aplicativo a solicite. — Foto: Reprodução
O objetivo da medida era reduzir o impacto de aplicativos falsos no Google Play, mas também interferiu no funcionamento de alguns softwares legítimos que dependiam da leitura do histórico de chamadas e de SMS. A leitura de notificações, porém, coloca por terra essa ideia – ao menos enquanto o Google continuar deixando aplicativos falsos serem publicados em sua loja oficial ou crie mais restrições, desta vez para a leitura de notificações.
A técnica tem, entretanto, algumas limitações. Há serviços que usam o e-mail na verificação em duas etapas. Nesses casos, a leitura do resumo que vai para as notificações – que não é a mensagem completa – pode não ser suficiente para vazar o código de autorização para o aplicativo falso. Porém, esse já era um problema antes de o Google proibir a leitura de SMS.

Após a denúncia da Eset, todos os aplicativos foram retirados do Google Play. Como a fraude foi detectada logo no início, os programas saíram do ar acumulando apenas algumas dezenas de downloads na loja.

Fonte:G1

Pai de Anitta pede para Pedro Scooby ensiná-lo a surfar

Jorge Santana 

Pai de Anitta Mauro Machado e Pedro Scooby
Pai de Anitta, Mauro Machado pediu aulas de surf a Pedro Scooby (Imagem: Reprodução / Instagram)
Pedro Scooby mostra a cada dia que está mais do que aprovado pelo novo sogro, Mauro Machado, pai da cantora Anitta, sua atual namorada. O surfista visitou uma loja de pranchas e encontrou um funcionário que revelou ser fã do "sogrão", como ele chama Mauro. Não demorou para Pedro ligar para o comerciante, que brincou também querer se arriscar no esporte, em Saquarema.

"Sou fortão, gordão. Não é qualquer prancha que vai me aguentar. Vou comprar uma grandona e vou surfar naquele negócio. Ele não me ensinou a mexer no Instagram? Pedro Scooby vai me ensinar a tirar umas ondas no pranchão", afirmou ele, de maneira bem-humorada. Mauro ainda deu pitaco nos trajes que irá utilizar durante o surf, e ainda brincou com os atributos da filha. "Mas nada de vestir aquelas roupas apertadas de surfistas, meu bumbum é muito grande, é tipo o da Anitta. Isso ela não fala, né? O bumbum dela veio toda do pai", ironizou.

Recentemente, Scooby ensinou o pai de Anitta a como utilizar o Stories, do Instagram, durante a viagem recente que fizeram para Bali, na Indonésia, onde o mais novo casal do showbiz oficializou a relação. O momento entre genro e sogro foi flagrado pela funkeira, que compartilhou com os seguidores. "Agora, o outro deu para ensinar meu pai as funcionalidades do Instagram para que ele ‘aprimore’ seu blog! Hahaha", comentou ela.

"Agora, fodeu! Agora que eu tô com ferramenta!", brincou Mauro. "Agora, que virou blogueiro. Carlinhos Mauro", ironizou Scooby. "Genro maneiro ensinou! Cara atualizado! Pô, quer o que?", completou.

Fonte:RD1

A ponte de capim construída pelos incas que ainda é refeita todos os anos

A ponte Q'eswachaka, feita de cordas tecidas à mão, existe há pelo menos 600 anos. — Foto: Jordi Busqué
A ponte Q'eswachaka, feita de cordas tecidas à mão, existe há pelo menos 600 anos. — Foto: Jordi Busqué


Todos os anos, a última ponte Inca ainda em uso, no Peru, é derrubada e uma nova é erguida sobre o rio Apurímac, na região de Cusco.

A ponte Q'eswachaka, feita de cordas tecidas à mão, existe há pelo menos 600 anos. Outrora parte da rede que ligava as cidades e vilas mais importantes do Império Inca, ela foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 2013.
A tradição foi passada adiante de geração em geração – e todos os adultos que vivem nas comunidades de ambos os lados da ponte se reúnem anualmente para reconstruir a travessia.
A tradição diz que somente homens podem trabalhar na construção da ponte. As mulheres permanecem na parte superior do desfiladeiro, tecendo cordas finas.

Durante o primeiro dia da reconstrução, os homens se reúnem em torno da ponte antiga para entrelaçar as cordas finas, dando origem às cordas maiores.
O suporte principal da ponte é feito por meio de seis grandes cordas de três camadas, com cerca de 30 centímetros de espessura – cada uma contendo cerca de 120 cordas finas.
Cada família contribui com uma parte da corda, tecidas à mão usando um tipo de capim resistente, conhecido localmente como qoya ichu.
Para ficar mais maleável, o capim deve primeiro ser batido usando uma pedra redonda e, na sequência, embebido em água.
Ponte Q'eswachaka, no Peru: Somente homens podem trabalhar na construção da ponte. As mulheres permanecem na parte superior do desfiladeiro, tecendo cordas finas. — Foto: Jordi BusquéPonte Q'eswachaka, no Peru: Somente homens podem trabalhar na construção da ponte. As mulheres permanecem na parte superior do desfiladeiro, tecendo cordas finas. — Foto: Jordi Busqué
Ponte Q'eswachaka, no Peru: Somente homens podem trabalhar na construção da ponte. As mulheres permanecem na parte superior do desfiladeiro, tecendo cordas finas. — Foto: Jordi Busqué
Enquanto todos estão ocupados, vários aldeões cozinham em fogões a lenha, levados dos vilarejos para a ocasião. Frango, cuy (porquinho-da-índia peruano) e truta do rio Apurímac são os pratos mais comuns preparados, todos acompanhados por batatas de diferentes formas e cores cultivadas localmente.
A ponte antiga é então cortada e cai nas águas do rio, onde vai simplesmente flutuar até apodrecer, uma vez que é feita de capim.
Quatro das seis cordas de capim entrelaçado vão se tornar o piso da ponte - e as outras duas serão usadas como corrimão.
Todas as seis cordas são firmemente amarradas a grandes suportes feitos de pedra, localizados em ambos os lados do cânion. Leva quase o dia todo para que os homens consigam esticar as cordas na tensão correta.


No terceiro dia, alguns homens sem medo de altura percorrem a estrutura enquanto amarram pequenas cordas dos corrimãos até o chão da ponte, fazendo uma espécie de cerca que permite atravessar a ponte com segurança.
Nenhum tipo de material, ferramenta ou maquinário moderno é usado no processo de construção da ponte - apenas capim e mão de obra humana.
A reconstrução da ponte Q'eswachaka acontece uma vez por ano, e termina com uma celebração com comida e música no quarto dia, que sempre coincide com o segundo domingo de junho.
A ponte Q'eswachaka, feita de cordas tecidas à mão, existe há pelo menos 600 anos.  — Foto: Jordi BusquéA ponte Q'eswachaka, feita de cordas tecidas à mão, existe há pelo menos 600 anos.  — Foto: Jordi Busqué
A ponte Q'eswachaka, feita de cordas tecidas à mão, existe há pelo menos 600 anos. — Foto: Jordi Busqué

Fonte:G1 e BBC News Brasil

Jiban-Episódio 27-A Transformação Dos Filhos Em Satanás(Dublado)

Kidou Keiji Jiban (機動刑事ジバン, Kidō Keiji Jiban?, traduzido literalmente como Detetive Móvel Jiban, e lançado no Brasil sob o título de Policial de Aço Jiban) é uma série tokusatsu da franquia Metal Hero, produzida pela Toei Company entre 1989 e 1990. Foi quase que inteiramente inspirada no personagem norte-americano Robocop. Trazida ao Brasil pela extinta distribuidora Top Tape, foi exibida a partir de 1990 pela Rede Manchete. Ao todo tem 52 episódios, onde apenas 50 foram exibidos pela emissora carioca na época. Atualmente é exibida de forma não autorizada pela Ulbra TV de Porto Alegre e Rede Brasil de Televisão. que atualmente é exibido todas as terças na Rede Brasil de Televisão, Também está saindo em DVD pela Distribuidora Focus Filmes.

História
O policial Naoto Tamura sacrificou sua vida para derrotar um dos monstros da organização Biolon, mas renasceu como o Policial de Aço Jiban, passando a combater o grupo maligno, liderado pelo Doutor Jean Marrie.

Nome Original:Kidou Keiji Jiban
Nome Brasileiro: Policial de Aço Jiban
Formato:Seriado
Gênero:Tokusatsu/Ficção Científica/Ação/Aventura
Duração:24-25 minutos
Criador:Toei Company
País:Japão
Canais:TV Asahi(Japão)/Rede Manchete,Ulbra TV e RBTV(Brasil)

Felipe Titto reata casamento e esconde novidade por motivo especial

Felipe Titto
Felipe Titto voltou com Mel Martinez (Imagem: Reprodução / Instagram)
Após se separarem 2017, com 6 anos de casamento, Felipe Titto e Mel Martinez decidiram dar mais uma chance ao amor. De acordo com o Blog do Leo Dias, o ator e a arquiteta reataram há mais de seis meses.

Juntos outra vez, Tito e Mel preferiram não expor o relacionamento e deixar tudo em off. O motivo do sigilo? O casal quer evitar o assédio em cima da relação para não "estragar" o romance. Nas redes sociais, os fãs do artista já especulavam um possível retorno dos dois, já que eles de vez em quando postavam fotos no mesmo lugar. Porém, quando era questionado em alguma entrevista se estava comprometido, Felipe não negava, mas pedia para mudar de assunto.

Na época que tinham um relacionamento exposto na mídia, houve boatos de que Titto estava traindo a esposa dentro dos Estúdios Globo. Após a repercussão, o casal veio a público explicar que nada do que foi dito era verdade.


Fonte:RD1

Após pedido de revisão da punição de Vettel, Ferrari é chamada por FIA para audiência na sexta-feira

Após pedido de revisão da punição de Vettel, Ferrari é chamada por FIA para audiência na sexta-feira
Getty Images

Dando prosseguimento ao pedido de revisão da punição que custou a Sebastian Vettel e a Ferrari a primeira vitória no ano, no Canadá, a equipe italiana foi convocada para uma audiência com os comissários que aplicaram a penalidade, nesta sexta-feira, no Circuito de Paul Ricard, palco do GP da França.

Na ocasião, a equipe tentará convencer a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) que possui "novas e relevantes" evidências, que não estavam disponíveis na hora da aplicação da penalidade, para o que o lance seja revisto - como requisita do artigo 14.1.1 do regulamento esportivo da categoria em caso de um pedido de revisão de punição.
Apesar de o quadro de comissários do GP da França ser completamente diferente daquele que trabalhou no GP do Canadá, é um procedimento comum que os comissários da etapa em que o incidente aconteceu sejam os responsáveis pela audiência, se tiverem disponibilidade, que é o caso neste fim de semana.
Relembre o caso
Sebastian Vettel cruzou a linha de chegada em primeiro no GP do Canadá, mas a vitória ficou com Lewis Hamilton. O alemão foi punido com cinco segundos por ter deixado a pista e retornado de "maneira perigosa" segundo decisão dos comissários da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).
Vettel e Hamilton no lance da discórdia em Montreal — Foto: Reprodução/rede socialVettel e Hamilton no lance da discórdia em Montreal — Foto: Reprodução/rede social
Vettel e Hamilton no lance da discórdia em Montreal — Foto: Reprodução/rede social

Informado da punição, o piloto se recusou a levar o carro para o local designado para o três primeiros colocados, largando o bólido na entrada dos boxes. Vettel então saiu andando como se não fosse para o pódio, mas acabou voltando. Não sem antes se dirigir às placas com que indicam as posições em que três primeiros colocados devem estacionar os carros e trocar a sinalização que estava na frente do carro de Hamilton, removendo a de primeiro lugar e trocando-a pela de segundo.
Sebastian Vettel GP do Canadá — Foto: AFPSebastian Vettel GP do Canadá — Foto: AFP
Sebastian Vettel GP do Canadá — Foto: AFP
A Ferrari chegou a sinalizar com a intenção de apelar da punição no tribunal, mas desistiu por saber que penalidades aplicadas durante a corrida dificilmente são alteradas no tribunal. Em vez disso, procurou um outro caminho, o da revisão do lance. Mas para que o pedido seja aceito, o time precisa de "novas e relevantes" evidências sob o artigo 14 do regulamento esportivo. Segundo o site "Motorsport.com", o time pretende usar dados de telemetria e GPS extras, além do testemunho do próprio Vettel para provar que a penalidade foi aplicada de maneira injusta.


Fonte:Globoesporte.com

Arquivo do blog