terça-feira, 19 de junho de 2018

'Descobri que tinha câncer vendo um programa de TV'

Repórter da BBC (à esq.) falou sobre descoberta do câncer em vídeos online e em programas de TV, e despertou a atenção de duas mulheres que tinham o mesmo problema (Foto: BBC)
Repórter da BBC (à esq.) falou sobre descoberta do câncer em vídeos online e em programas de TV, e despertou a atenção de duas mulheres que tinham o mesmo problema (Foto: BBC)
Quando a jornalista da BBC Victoria Derbyshire falou abertamente sobre os sintomas que levaram ao seu diagnóstico de câncer de mama no programa da rede ITV The Real Full Monty, duas mulheres entraram em contato para dizer que seu depoimento fez com que elas mesmas fossem diagnosticadas.
"Eu quero agradecer a você por salvar minha vida", dizia a primeira linha do email enviado por Margaret Witts, de 86 anos. Pouco depois, a repórter se reuniu com ela e com Maren Marshall, de 53 anos, para ouvir suas histórias.
"Eu peguei uma taça de sherry (bebida alcoólica), me sentei, levantei as pernas e coloquei um cobertor sobre elas (para assistir ao programa)", relembra.
"Mas quando você disse que descobriu ter um mamilo invertido e que seu seio tinha ficado achatado, meu alarme soou."
Quando, ao final do programa, um aviso aconselhava as mulheres a irem conferir seus seios para detectar possíveis alterações, Margaret percebeu, diante do seu espelho, que um deles estava muito menor que o outro.
"O mamilo daquele seio também estava mais elevado e metade dele estava virada para dentro. Comecei a apalpar o mamilo e senti um caroço áspero. Fiquei sem conseguir acreditar."
Um mamilo invertido nem sempre é sinal de câncer - algumas pessoas nascem com eles assim, ou seu formato se altera com o tempo. No entanto, uma mudança repentina na aparência do seio precisa ser examinada imediatamente.
De acordo com a ONG britânica Breast Cancer Care, um terço das pessoas que desenvolvem câncer de mama são diagnosticadas depois de encontrarem outro sintoma que não um caroço.

'Você fica sobrecarregada'

A menção do mamilo invertido também chamou a atenção de Maren Marshall. "Eu sempre tive o mamilo invertido, mas estava um pouco mais do que antes", descreve.
"Quando eu não usava sutiã, percebia uma depressão maior no seio. Antes, era mais liso. Acho que não teria feito nada a respeito se não tivesse visto o programa."

Maren foi diagnosticada com câncer de mama depois de uma consulta com seu médico em maio. Agora, ele fez uma cirurgia para remover o tumor e o tecido que o rodeava.
Margaret, por sua vez, fará uma mastectomia (cirurgia de remoção da mama) ainda neste mês de junho.
"Depois (da mastectomia) vou ter que viver com a falta do seio de um lado, mas eu consigo superar isso. Não é o fim do mundo", diz.
"Mas a palavra 'câncer' afeta todo mundo. Você fica sobrecarregada."
Maren diz que ainda está "um pouco dormente" depois da experiência, e brinca que talvez ainda esteja se recuperando da anestesia.

Sintomas menos conhecidos

O câncer de mama pode ser detectado em suas fases iniciais na maioria dos casos, o que cria mais chances de tratamento e cura - que podem chegar a 95% de acordo com alguns especialistas.
Daí a importância de observar possíveis sintomas e de procurar o médico em caso de observação de qualquer mudança incomum nos seios.

"Mamilo invertido" é o nome que se dá quando o mamilo vira para dentro ou "afunda" no seio. O fenômeno nem sempre está ligado ao câncer, no entanto. Algumas mulheres nascem assim e outras ficam dessa forma após a amamentação.

No entanto, se um mamilo afundar repentinamente ou ficar muito diferente do que era antes em curto espaço de tempo, deve ser examinado por um médico.
Um terço das pessoas que desenvolvem câncer de mama são diagnosticadas depois de encontrarem um sintoma que não seja um caroço.
Há uma lista de 12 sinais que podem indicar algo de errado, mas que não necessariamente significam a presença da doença. Confira:
1) Engrossamento da pele
2) Sulco na mama
3) Crostas no mamilo
4) Secreção mamilar
5) Irritação ou dores
6) Afundamento do mamilo
7) Crescimento de veias
8) Protuberâncias
9) Úlceras
10) Mudanças na textura da pele que a deixam parecida com "casca de laranja"
11) Mudança de forma e/ou tamanho
12) Nódulos


Fonte:G1 e BBC Brasil

Fernanda Gentil e Sandra Annenberg passam mal na Rússia

Sandra Annenberg, assim como Fernanda Gentil, apresentou indisposição após refeição (Imagem: Divulgação / Globo)
Âncoras da cobertura da Copa do Mundo, direto da Rússia, do “Bom Dia Brasil” e do “Jornal Hoje”, respectivamente, Fernanda Gentil e Sandra Annenberg baixaram na enfermaria. Uma indisposição por conta de um prato com camarão retirou Fernanda do "BDB", ontem (18). Já Sandra sentiu-se mal após apresentar o "JH".
Segundo Patrícia Kogut, o mal-estar de Gentil teve início no domingo (17). A refeição que a deixou de cama foi feita em um restaurante em Moscou, onde a Globo montou, em plena Praça Vermelha, seu estúdio panorâmico. Ana Paula Araújo acabou sozinha à frente do "Bom Dia", já que Fernanda estava de atestado médico.
Annenberg, por sua vez, apresentou normalmente o "Hoje", ao lado de Alex Escobar. Ao término do noticiário – 15h no Brasil, 21h na Rússia –, a jornalista mostrou-se enferma. Seu incômodo também teve origem na alimentação; no caso, o café da manhã. A Sandra, também foi recomendado repouso.
Fernanda Gentil está na Globo desde 2012, quando assumiu o "Placar da Rodada", quadro do “Jornal da Globo”. Atualmente, comanda o “Esporte Espetacular”, ao lado de Felipe Andreoli. Sandra Annenberg, que conduz o “Jornal Hoje” na companhia de Dony De Nuccio, chegou à emissora na década de 1990, como garota do tempo do “Jornal Nacional”; também já ancorou o “Fantástico” e o “SPTV”.

Fonte:RD1

Volkswagen e Ford estudam aliança para ganhar competitividade

Por André Paixão

Volkswagen e Ford estudam aliança para ganhar competitividade (Foto: Ford/Divulgação/Axel Schmidt/Reuters)
Volkswagen e Ford estudam aliança para ganhar competitividade (Foto: Ford/Divulgação/Axel Schmidt/Reuters)

AVolkswagen e a Ford anunciaram nesta terça-feira (19) que estão estudando uma "aliança estratégica" para ganhar competitividade em todo o mundo.

De acordo com o comunicado, as empresas estão analisando projetos conjuntos, incluindo o desenvolvimento de uma linha de veículos comerciais.
O diretor do Grupo de Estratégia da Volkswagen, Thomas Sedran, disse que "é de extrema importância ganhar flexibilidade por meio de alianças. A potencial cooperação industrial com a Ford é vista como uma oportunidade para melhorar globalmente a competitividade das duas empresas."
Sede da Ford em Dearborn, nas proximidades de Detroit, nos Estados Unidos (Foto: Divulgação)Sede da Ford em Dearborn, nas proximidades de Detroit, nos Estados Unidos (Foto: Divulgação)
Sede da Ford em Dearborn, nas proximidades de Detroit, nos Estados Unidos (Foto: Divulgação)
Volkswagen e Ford afirmaram que irão divulgar atualizações sobre a parceria de acordo com o avanço das conversas.
No entanto, o anúncio diz que não haverá aportes financeiros entre as fabricantes, nem participações cruzadas (participação acionária de uma empresa em outra).
Volkswagen e Ford já foram parceiras entre nas décadas de 1980 e 1990, com a formação da Autolatina, atuando no Brasil e na Argentina.
Fábrica da Volkswagen, em Wolfsburg, na Alemanha, em imagem de arquivo de 2015 (Foto: REUTERS/Carl Recine/File Photo)Fábrica da Volkswagen, em Wolfsburg, na Alemanha, em imagem de arquivo de 2015 (Foto: REUTERS/Carl Recine/File Photo)
Fábrica da Volkswagen, em Wolfsburg, na Alemanha, em imagem de arquivo de 2015 (Foto: REUTERS/Carl Recine/File Photo)

Situação das empresas

No final de abril, a Ford anunciou um plano para cortar custos e aumentar as margens de lucro nos próximos anos. A marca "não vai investir em novas gerações de sedãs tradicionais para a América do Norte", incluindo Fusion, Fiesta e Taurus, disse a montadora.
O objetivo é cortar US$ 25,5 bilhões em custos até 2022, ante US$ 14 bilhões previstos no plano anterior anunciado no ano passado.
Preocupação com poluentes de carros a diesel aumentou depois do escândalo da Volkswagen (Foto: REUTERS)Preocupação com poluentes de carros a diesel aumentou depois do escândalo da Volkswagen (Foto: REUTERS)
Preocupação com poluentes de carros a diesel aumentou depois do escândalo da Volkswagen (Foto: REUTERS)
Já a Volkswagen ainda enfrenta desdobramentos do escândalo de emissões dos veículos a diesel, que ficou conhecido como dieselgate. Nos movimentos mais recentes, a justiça alemã multou a em 1 bilhão de euros a fabricante, que se declarou culpada no caso.
O Grupo Volkswagen fraudou cerca de 11 milhões de veículos a diesel em todo o mundo. Os carros eram equipados com um software que burlava testes de emissões em motores deste tipo.

Movimentos parecidos

Este não é o primeiro movimento de aproximação entre concorrentes na indústria automobilística. É comum que rivais se aproximem para desenvolver tecnologias em conjunto, além de reduzir custos com uma escala maior de produção.
Um exemplo básico é que Ford e Chevrolet compartilham o câmbio automático de 10 marchas, presente em Mustang e Camaro.
Também há inúmeros outros casos, como de fusões. Em 2016, a Renault Nissan, outra aliança, anunciou a compra da japonesa Mitsubishi.
Outra gigante, a Fiat Chrysler, buscou alianças com a própria Volkswagen e com a General Motors, dona da Chevrolet. No entanto, as conversas não avançaram.


Fonte:G1

Arquivo do blog